Moradia de Loivo

A proposta de intervenção para o local teve como ponto de partida a preocupação em tentar perceber a morfologia do terreno, com pendentes bastante acentuadas, e tirar partido do denso manto de árvores existente, pinheiros e carvalhos, e das soberbas vistas sobre o rio Minho e parte do núcleo urbano de Loivo.

Assim, estudou-se um projecto que pretende encaixar num ambiente natural e adaptando a sua configuração estrutural e estética à inclinação própria do terreno, tentando não desvirtuar a imagem do lote, mas em contrapartida permitir uma solução arquitectónica que possa referenciar uma encosta / local ainda com poucas referências construtivas. A intervenção propõe uma distribuição dos espaços interiores por zonas distintas de ocupação, com uma modulação de volumes orientados horizontalmente no sentido dos taludes do terreno, permitindo desta forma minimizar o impacto causado construção e uma rentabilização dos trabalhos aquando da sua execução. O projecto define-se em termos gerais pela intercepção de dois volumes distintos acompanhados de uma pala, que pela sua forma e aspecto estético, ajudam a compor os alçados e cobrir um espaço de alpendre de estacionamento. Esta construção apresenta uma tipologia do tipo T3 distribuída em três plataformas desniveladas entre si, acompanhando a inclinação natural do terreno.

Em termos funcionais houve sempre a preocupação em criar ligações directas entre os espaços, percursos esses que serão sempre acompanhados pelas vistas exteriores de paisagem e luz natural,

e que permitirão animar as fachadas e o aspecto global da construção que se quer tenha uma identidade própria e referencial para o local.